“From 1994” rodado com ALEXA M & MoVI

FROM 1994 é um curta-metragem dirigido pela Danielle Krieger e por Casey Warren, ganhadores de um prêmio Emmy pela dupla criativa localizados em Seattle. Sua produtora Mindcastle é conhecida nos esportes e trabalhos em comerciais que incluem campanhas para a ESPN, Canon, programas esportivos, HBO, e muito mais. Neste último projeto, os cineastas tomaram um evento pessoal e profundo da vida de Warren e trouxeram à tela usando ALEXA M e o estabilizador digital de câmera de 3 eixos MoVi. O pequeno tamanho da cabeça da ALEXA M combinado com o movimento fluido do MoVI, produz uma intimidade que é imediata e comovente, uma escolha criativa que ajuda a transmitir a descoberta por um menino de uma carta da sua falecida mãe. Aqui, Krieger e Warren nos leva do conceito à conclusão sobre este curta-metragem comovente.

FROM 1994

FROM 1994 is a short film directed by Danielle Krieger and Casey Warren, captured on ALEXA M and the MoVi 3-axis digital stabilized camera gimbal.

CW: A ideia de fazer alguma coisa com essa carta veio da Danielle que estava com uma paixão de transformar isso em um filme. Ela veio com um conceito inicial, a história, e uma ideia, então eu peguei o que ela tinha e comecei a escrever o roteiro disso. Assim começamos o processo de fazer dessa carta a inspiração para o filme. Eu percebi que esse filme era algo que eu teria que passar com meus filhos, família, etc., da mesma maneira que minha mãe fez. Isso ajudou a relembrar quem ela foi. Fazer esse filme me ajudou a sentir como eu comecei a conhecê-la mais. Ela faleceu quando eu tinha 14 anos, então eu perdi várias lembranças dela e fazer este filme senti como se eu pudesse fazer novas memórias, mesmo ela não estando mais aqui.

O que motivou para usar o MoVI?


CW:
Desde que vimos um vídeo demonstração do MoVI, nós sabíamos que deveríamos ter um desses. Coloquei um pré-pedido assim que pude. Em meados de agosto, Tabb Firchau (proprietário da Freefly Systems) entrou em contato e perguntou se eu gostaria de fazer algo para o lançamento do MoVI, desde que o nosso estava pronto para embarque e ainda quente das linhas de produção. Decidimos esta história porque se encaixaria perfeitamente com o que vimos no potencial do MoVI e o que poderia trazer, dando a forma de como queríamos contá-la. Eu sabia que eu não queria contar uma história centrada em torno de um pedaço de tecnologia, mas sim usar a tecnologia para ajudar a exemplificar a história e contá-la melhor do que sem ele.

Você planejou em storyboard?

CW:
Nós gastamos um bom tempo no processo de nossa pré-produção em storyboarding. Eu sou, como muitos cineastas, uma pessoa visual e sendo capaz de ver seu filme antes, esta é uma ferramenta muito poderosa. Ele realmente se tornou a ferramenta principal em nosso processo criativo antes de irmos para a produção.

DK: Eu peguei os storyboards que fizemos e os copiei para o Final Cut. Em uma hora ou mais, eu obtive o storyboard editado de nosso filme. Ter isso, foi incrível para nós no início do processo, assim como fomos capazes de ter uma ideia de como a música andava com cada cena, bem como uma sensação geral de como tudo iria interagir.

Por que você quis filmar com a ALEXA?

DK:
Nossa meta com esse filme foi fazer com que fosse o mais orgânico possível, e não apenas com movimentos de câmera, mas também com a imagem em si.

CW:
O que eu amei mais na ALEXA, não foi somente a maneira dela capturar as altas luzes, mas a maneira sutil de como ela captura os tons de pele. Ela é capaz de capturar a vibração e a translucides da pele que a faz sentir real e isso para mim é muito importante na cinematografia, especialmente quando você esta trabalhando para transmitir as emoções reais do ser humano. Você quer que o público se conecte com as pessoas na tela, fazendo as pessoas na tela reais. A emoção que elas passam se tornam real. A imagem da ALEXA tem corpo e textura para isso.

Making of FROM 1994

Directors Danielle Krieger and Casey Warren take us behind the scenes on bringing this short film inspired by true events to life. Shot with the MoVi camera rig on the ALEXA M.

Por que o MoVI e ALEXA juntos?

CW:
Ultimamente queremos ter a qualidade de imagem cinematográfica da ALEXA e ter ao seu lado um movimento dinâmico que o MoVI pode alcançar. Desde então eu escuto sobre o MoVI, Eu o conheci e queria colocar a ALEXA nele. O desenho modular da ALEXA M fez isso possível, esse monte de ideias se tornar realidade.

Como estas ferramentas ajudaram você a contar a sua história?

CW:
Uma das minhas cenas favoritas foi a cena da escrita. Embora esta cena não contenha muitos movimentos físicos e de paradas quando ela escreve a carta, não queríamos que fosse estático. Utilizou-se o movimento da câmera para ajudar a transmitir os seus processos de pensamento enquanto ela elaborava a carta. Quando ela começou a ter ideias e imaginar o futuro de seu filho, também fomos capazes de ir na jornada com seus pensamentos. Nosso objetivo era usar a evolução e o crescimento da carta para preencher  a dinâmica do movimento da câmera. No final, fiquei muito feliz com a forma de como esta cena terminou. Eu não acho que teria sido capaz de retirar esta cena narrativa sem a combinação da imagem cinematográfica da ALEXA e do movimento dinâmico do MoVI.

DK:
Uma das minhas coisas favoritas em dirigir, são aqueles momentos quando você vê o que está sendo filmado no monitor e é algo melhor do que tinha imaginado. Há muitas coisas que toca para obter esses momentos e um grande fator para isso, relaciona-se com as ferramentas que você usa para contar a sua história. Ferramentas como o MoVI e a ALEXA nos ajudou a chegar a esses momentos em que você só está ali de pé, sorrindo para o que você vê no monitor.

Qual foi a sua abordagem em iluminação?

CW:
Meu objetivo com a iluminação e a aparência deste filme era ir para um realismo e não algo que sentiríamos mais iluminado. Uma das coisas que eu gosto na ALEXA é que você pode trabalhar com várias fontes de luz diferentes dentro de uma cena e todas elas se aparentam muito naturais. Tanto um tungstênio ou luz do dia equilibrada, elas se misturam muito bem na câmera, de uma forma muito semelhante à forma como o nosso olho enxerga. Iluminamos muitas de nossas cenas com luzes práticas. Usamos fontes de luz desde uma lâmpada de potência de 200 watts e depois acrescentamos pesadas camadas de difusão para lhes dar mais corpo.

Para a iluminação do filme usamos uma mistura de várias luzes comuns incluindo fluorescentes, LED e fresneis de tungstênio. As principais luzes de tungstênio foram os fresneis ARRI de 150W e de 650W. Uma coisa que eu realmente gosto nessas luzes é a qualidade que a luz é entregue em termos do balanceamento de cor e do espalhamento da luz em si.

Como você se sente sobre o FROM 1994 agora que ele está finalizado?

DK:
Usando o MoVI e a ALEXA M juntos, superou minhas expectativas. Estou realmente feliz com o produto final e será algo que vou lembrar para sempre

CW:
Nosso principal objetivo foi fazer algo que não era apenas um filme mas uma lembrança que poderia ser passada à nossa família e me lembrar sempre de minha mãe. No nosso tempo livre fazemos um monte de arte para a nossa casa e eu gosto de pensar nisso como algo para nós, para amar e também ser capaz de compartilhar com outras pessoas quando elas vêm aqui. Fico feliz que fomos capazes de fazer alguma coisa que podemos segurar como algo especial, além dele ser apenas um filme; isso significa algo para nós, pessoalmente, como artistas.

Links relacionados >>