DP Brett Pawlak em O CASTELO DE VIDRO

O diretor de fotografia de TEMPORÁRIO 12 (SHORT TERM 12) e HELLION debate sobre rodar o drama com Master Anamórficas.

Dirigido por Destin Daniel Cretton e filmado pelo diretor de fotografia Brett Pawlak, O CASTELO DE VIDRO é baseado no diário de 2005 das memórias incomuns da infância e dos pais complicados da autora Jeannette Walls. Cretton e Pawlak trabalharam juntos pela primeira vez em TEMPORÁRIO 12 (SHORT TERM 12), O filme de tese de Cretton, que acabou por ser o filme de Brie Larson e o vencedor do Prêmio Grand Jury da Competição Narrativa SXSW de 2013. O CASTELO DE VIDRO é o quarto trabalho que fazem juntos. “Destin é um incrível contador de histórias”, diz Pawlak. "Ele escreve tudo o que ele dirige e é um desses diretores que tem uma ideia específica para o filme, mas quer que eu traga a estética visual”. Foi assim que eles embarcaram em TEMPORÁRIO 12 e tem sido a base da relação de trabalho desde então.

DP Brett Pawlak em O CASTELO DE VIDRO

Os bastidores do featurette de O CASTELO DE VIDRO, dirigido por Destin Daniel Cretton e filmado pelo diretor de fotografia Brett Pawlak. Capturado em ALEXA com lentes ARRI/ ZEISS Master Anamórficas.

Quando se aproximaram em O CASTELO DE VIDRO, Cretton e Pawlak tiveram uma conversa inicial sobre o look. “Nossa estética evoluiu desde o TEMPORÁRIO 12”, diz Pawlak. “Suas histórias tendem a ser muito humana e delicada e, não quero fazer looks que distraiam o espectador do filme. Tento iluminar o mais natural possível, no qual Destin realmente responde positivamente. Ele gosta de deixar os atores se movimentarem no espaço e filmar com várias câmeras.” A autora Walls também deu a Cretton e Pawlak algumas fotos de família e um documentário mais antigo sobre os seus pais incomuns, Rex e Rosemary, no início da década de 90, quando estavam reprimidos na cidade de Nova York. “Tiramos de suas vidas reais”, explica Pawlak. "Essas fotos e o filme ditaram a cor e a estética do filme em termos de figurino e produção”.

Escolher as lentes certas para o filme foi muito importante para Pawlak, que diz que são “realmente uma maneira de criar algum personagem em seu visual.” Desde o início, ele sentiu que as lentes anamórficas seriam a escolha certa para O CASTELO DE VIDRO. “Há uma tendência de se pensar que as anamórficas são para planos abertos e elas realmente melhoram esses tipos de filme”, diz Pawlak. “Mas eu acho que as anamórficas melhoram a intimidade também. Eu sabia que iríamos filmar em pequenos sets, bem como em planos bem abertos do Novo México, então, eu pensei que as anamórficas eram a escolha perfeita para fazer o filme parecer maior, mas também manter a intimidade.” Pawlak lançou a ideia para Cretton, que imediatamente a abraçou.

Diretor Destin Daniel Cretton no set de O CASTELO DE VIDRO.

Pawlak procurou quase todas as anamórficas disponíveis nas locadoras e fez testes de filmagem com muitas delas para dar a Cretton uma ideia do look que eles poderiam obter. “Começamos discutindo a opção das novas anamórficas”, diz Pawlak. "Fazendo quase o oposto de trabalhar com vidros velhos e vinhetando, pensávamos que iríamos deixar um look mais limpo e deixar a produção trabalhar mais próximo de nós. Destin estava cauteloso em não distorcer as coisas demasiadamente. Pawlak buscou as ARRI / ZEISS Master Anamórficas. “Coloquei-as na câmera e imediatamente olhei para uma 40 mm, que é bastante aberta e, fiquei atônito ao ver que não houve distorção em nenhuma das linhas ou no horizonte”, diz ele. “Toda linha era reta e o bokeh é muito bom. “Caiu a ficha”, pensei, aqui está a lente anamórfica que o Destin se sentiria confortável em trabalhar. Era a lente perfeita que eu queria sutilmente contar a história anamorficamente”.

Ter essas lentes anamórficas e tão rápidas, me permitem estar confortável com a iluminação e indo um pouco mais além.

Após o teste, Pawlak estava ainda mais certo de que as ARRI Master Anamórficas seriam as lentes certas. “Eu notei que elas eram definidas e rápidas, o que foi ótimo porque filmamos com pouca luz”, diz ele. "As Master Anamórficas me deram uma ótima base para começar e iniciei explorando diferentes stops e filtros para ver todos os diferentes looks e até onde eu poderia ir e encontrar o ponto na lente que me desse o look que eu queria. As Master Anamórficas realmente ajudaram o Destin a estar confortável com a filmagem em anamórfico”.

Pawlak diz que sabia antes de escolher as lentes, que ele filmaria com a ALEXA. "Eu prefiro a ALEXA a qualquer outra câmera”, diz ele, observando que a produção com sede em Montreal tinha duas ALEXA XTs da MELS. “Eu posso pegar um corpo ALEXA, filmar e saber exatamente como ela irá lidar com as coisas”. Além da ALEXA XT, a produção também tinha uma Mini, que Pawlak diz ter “realmente amado”. "A Mini é muito versátil”, diz ele. “Eu tive algumas sequências onde eu corria com a câmera na mochila, subindo as escadas e passando por portas e era realmente leve. Poderia ser o que eu precisasse ser”.

Atriz Brie Larson se prepara para a cena.

As Master Anamórficas realmente valeram a pena em uma cena que ocorreu no deserto do Novo México, onde a família está lendo à luz de velas. “Ter essas lentes anamórficas e tão rápidas, me permitem estar confortável com a iluminação e indo um pouco mais além”, diz ele. “Foi meio assustador estar com a lente com a íris toda aberta, mas nessas situações de pouca luz, as lentes funcionaram tão bem que me deu confiança em filmar”.

Fotos de Jake Giles Netter.