Câmeras ARRI para HDR na Amazon

O diretor de fotografia Tim Orr, capta com ALEXA XT um piloto de Z: THE BEGINNING OF EVERYTHING, um programa da Amazon Studios que exige entrega em HDR.

A série Z: THE BEGINNING OF EVERYTHING da Amazon tem o foco na socialite americana Zelda Fitzgerald dos anos 20 e em seu casamento conturbado com o romancista F. Scott Fitzgerald. Como este foi um dos primeiros programas com entrega em UHD e HDR, a principal conversão foi em Rec 709 com a finalização em HDR, mas o compromisso da Amazon com o conteúdo de High Dynamic Range está aumentando e eles selecionaram a ALEXA e a AMIRA como suas câmeras preferidas para obter a melhor qualidade de imagem UHD / HDR. O DP Tim Orr, falou com a ARRI sobre a filmagem do piloto com câmeras ALEXA XT, gravando em ProRes 3.2K.

Você e o diretor Tim Blake Nelson fizeram um look específico para este programa?

A inspiração veio principalmente da fotografia still daquela época, particularmente dos Autochromes, os quais tem uma certa suavidade. Mas não queríamos que este look e a dessaturação da cor dos Autochromes prejudicassem os personagens e a história, então também nos baseamos pelo Kodachrome. Trabalhei com o colorista Sean Dunckley e testamos LUTs com base em ambos os processos e então, resolvemos em dois LUTs que usamos para o programa.

Eu não acho que você possa escolher uma câmera melhor do que a ALEXA para HDR.

Por que você escolheu ALEXA e, o HDR foi uma preocupação enquanto você estava filmando?

Uso a ALEXA desde que foi lançada e estou muito confortável com a câmera. Sei o que ela pode entregar. Muitas das nossas cenas internas eram realmente de muita pouca luz e, claro, a sensibilidade e o range dinâmico são os grandes pontos fortes da ALEXA. Eu não pretendo alterar o EI de 800, sei até onde posso chegar e ainda ter um negativo digital muito seguro.

Eu não acho que você possa escolher uma câmera melhor do que a ALEXA para HDR e não acho esse aspecto ser preocupante também. Uma das únicas coisas que você tem que estar um pouco mais atento, onde talvez você não perceba no set de filmagem, é o que estará visível do lado de fora das janelas, pois com HDR você poderá ter mais detalhes do que pensa, o que pode ser um problema, especialmente em uma parte da série que você acha que que o lado de fora das janelas esta estourando. Não tivemos uma situação como essa nesse piloto, mas é algo para estar sempre atento.

Para o futuro, a ARRI recomenda monitoração HDR no set de filmagem. O que você acha a respeito disso?

Com o digital estamos acostumados a ver a imagem no set e não deve haver surpresas, mas o HDR não é tão fácil de monitorar como o Log C ou um LUT. Certamente poderia ser útil, mas eu também acho que as pessoas podem ficar muito presas a isso. Se for o tipo de coisa que você pode ligar e desligar, então você poderia checar o HDR para um problema específico ou uma cena específica, então, eu poderia entender que que seria muito útil, mas provavelmente não é algo que eu vou gastar muito tempo com isso.

Você se viu checando o histograma mais frequentemente?

Nosso DIT estava olhando o material com muito cuidado no dentro de um caminhão, portanto, eu realmente não precisava me preocupar com isso. Havia uma cena, uma longa cena de jantar que deveria ser ao anoitecer e acabou demorando cerca de seis horas para filmar, então, tentar manter as luzes das janelas no nível correto de luminosidade foi um pouco difícil. Essa foi a única vez que me lembro de estar um pouco mais preocupado com o que o HDR poderia fazer.

Como você trabalhou com a câmera?

Tentamos usar muito movimento e muito Steadicam para fazer o que podíamos em um plano sequência, particularmente cenas da Zelda no mundo, andando com seus amigos ou indo dançar. O contraponto a isso foi a vida doméstica de Zelda e as cenas com seu pai, que é um pouco mais disciplinar. Essas cenas eram muito mais estáticas e formais, com mais precisão no enquadramento.

Você não estava na correção de cor em HDR, não é?

Não, mas naquele momento o HDR era secundário. Fiquei em contato com o colorista para deixá-lo ciente qual era a intenção da fotografia e para resolver quaisquer problemas que poderiam surgir. A coisa para procurar eram situações onde o HDR poderia ter consequências não intencionais, onde a narrativa visual começa a mudar. Isso poderia ter sido problemático, mas foi tudo bem nesse piloto e não houveram problemas.

Photos: Nicole Rivelli © Amazon Prime Video