BARRY da HBO: Fotógrafa Assume o Controle

BARRY da HBO: Fotógrafa Assume o Controle

Encerrando sua temporada de calouros, BARRY, da HBO, é um humor negro sobre um assassino do meio-oeste americano (interpretado por Bill Hader), que viaja para Los Angeles para matar alguém. Ele se depara com uma turma de atores estudantes, liderada pelo peculiar Gene Cousineau (Henry Winkler). “O que tornou o BARRY interessante para mim, foi a combinação de humor negro, sua inocência trágica e o quanto todos os personagens tentavam se destacar em suas vidas, nem sempre com muito sucesso”, diz Paula Huidobro, diretora de fotografia de BARRY. “Adoro que BARRY tenha vivido uma vida dupla e que, às vezes, o comportamento dos criminosos se espelha com o de seus colegas na escola de atores. Às vezes, os estudantes pareceriam mais implacáveis que os criminosos. Os personagens são todos muito bem desenvolvidos e crescem em você, quanto mais você aprende sobre eles. Todos parecem estar em uma missão e é muito engraçado vê-los falharem, mas continuam tentando”.

Gosto da versatilidade dos SkyPanels e gosto da cor dos HMIs da ARRI e da sua consistência.

A produtora Aida Rogers, trouxe Huidobro para o projeto depois de ver seu portfólio e recomendando-a aos co-criadores de BARRY, Hader e Alec Berg. “Conversei e imediatamente fiquei conectada com os dois, falando sobre o material e suas visões para o estilo do projeto”, diz Huidobro, que anteriormente filmava longas-metragens independentes e projetos de TV. “Bill queria que tivéssemos algumas câmeras e que fosse comportada. Ele queria preservar o modo de estúdio no qual o piloto tinha sido filmado e gastar o tempo com as marcas dos atores e ensaiando para tomadas completas, onde os atores e a câmera dançariam juntos.” Ela acrescentou que os criadores não queriam glorificar a violência e, é por isso que ela não cobriu demasiadamente essas sequências ou utilizou-se de vários ângulos e planos que afastariam o público da violência. No que diz respeito às referências, Hader é um grande fã de Billy Wilder, particularmente THE APARTMENT e, os filmes dos irmãos Coen, especialmente BURN AFTER READING, também foram ‘uma grande fonte de inspiração’ para o estilo visual do show.

Huidobro e sua equipe usaram três ARRI ALEXAs, uma ALEXA Mini e zooms Optimo da locadora Otto Nemenz. Durante a pré-produção, eles marcaram as cenas e criaram listas de tomadas. “Uma vez que os atores estivessem no set, ajustaríamos suas marcas ou eu sugeria algumas mudanças para que pudéssemos levar a tomada por um longo período de tempo”, diz ela. “Também tentamos encontrar alguma comédia nas cenas”.

Bill Hader, Sarah Goldberg; Foto: Jordin Althaus, cortesia da HBO

Em uma das cenas favoritas de Huidobro, no episódio 7, um pequeno avião levando um líder de uma gangue aterrissa, assim como Barry e sua equipe dirigem e, a violência caótica se sucede. É uma cena que normalmente seria contada com uma câmera ‘nervosa’ e muitos cortes, para melhorar a violência. Em vez disso, a cena começa com o avião no ar, seguindo-o suavemente e pacificamente enquanto pousa. "Então, você vê um pequeno carro se aproximando ao longe", diz Huidobro. Quando os gangsters, que estão esperando o chefe deles chegar, veem a SUV de Barry aparecendo no horizonte, eles decidem que não há escolha a não ser atirar nele, fazendo-o capotar e explodir. “Em vez de se sentir perigoso, o trabalho da câmera era muito composto, cuidadoso, quase tradicional”, diz ela. “A justaposição do ritmo lento e a composição dos personagens e, como são enquadramentos formais, é completamente o oposto do que se esperaria nesta situação de perigo. Isso é o que torna, para mim, ainda mais engraçado e o que parece ser o estilo de BARRY como um todo.”

No episódio 8, ela trabalhou de perto com Berg, que dirigiu o episódio. Neste episódio, ela observa, BARRY dá um soco no rosto de Fuches, incitando Fuches a dar informações sobre ele ao seu inimigo mútuo, Goran. "Todos os personagens estão se desenrolando e as alianças mudam", diz ela. “Pensei que a iluminação, o enquadramento, as marcações e os movimentos da câmera estavam todos em sincronia. Filmamos nossas sequências e gostamos de captar o humor negro da situação na forma como enquadramos os personagens e as tomadas do grupo que realmente mostram a força da dinâmica.” Seus esforços no episódio renderam a Huidobro uma indicação ao Emmy de melhor direção de fotografia.

Diretor Alec Berg com a DP Paula Huidobro. Foto: John P. Johnson, cortesia da HBO

A iluminação também desempenhou um papel importante na transmissão do visual que a equipe criativa buscava. "Eu queria que a luz fosse o mais suave possível, o que nos permitiu trabalhar de forma relativamente rápida e consistente", diz ela. “Meu gaffer Paul McIlvine e eu, decidimos adotar uma abordagem mais antiga, usando Fresneis, abajures e lanternas chinesas em vez da tecnologia LED, que se tornou norma.” Para o exterior de dia, eles usaram o ARRI M18, alguns ARRIMAX e SkyPanels. “Eu gosto da versatilidade dos SkyPanels e gosto da cor dos HMIs da ARRI e da sua consistência”, diz ela. "Essas foram ótimas ferramentas para se ter.”

“Queríamos que a iluminação fosse real”, continua ela. “Estava obcecada por não ter sombras que afastaria a atenção dos rostos ou da comédia, mas ainda queria que tivesse algum contraste. Queríamos manter a luz de forma interessante. Eu jamais queria partir para um tipo de iluminação ‘chapada’ de comédia, mas também evitei a iluminação dura na maioria das vezes.” Eles também usaram muitas luzes práticas, tanto na locação como nos sets de filmagem. "Eu sempre trabalhei com a luz difusa e controlada quando estavam fora de quadro”, diz ela. “A chave para o sucesso das diárias, foi que pudemos incorporar muitas soluções de iluminação em nossos sets.”

Anthony Carrigan, Glenn Fleshler. Foto: Jordin Althaus, cortesia da HBO

Isso incluiu manipular “uma linda caixa de luz soft” em um dos principais sets de filmagem, o teatro dos atores, que Huidobro diz que era “inestimável”. Seu principal maquinista, Paul Perkins, estava “totalmente preparado para cortar e deixar tudo difuso no local”. Tenho certeza que eu o deixei louco com todos meus pedidos, mas ele realmente tinha meu apoio e superamos muitas situações difíceis”, diz ela. “Ter a confiança de Bill também foi importante. Conseguimos programar e marcar as cenas nas nossas locações externas de uma maneira que ajudou muito a iluminação e, sei que nem sempre é o caso da televisão.”

Links relacionados >>